Já podemos passear pelo arco da ponte da arrábida

A escalada pelo arco da ponte da Arrábida, que já é possível desde meados de Junho, é segura e tem sido um sucesso. A subida deste ícone da arquitectura e da engenharia nacional — uma das obras mais emblemáticas de Edgar Cardoso — é feita com o auxílio de um guia; o visitante faz a viagem com um arnês; e há um corrimão para total proteção, particularmente na descida (de maior dificuldade).
Quem pretender subir o arco tem de preencher alguns requisitos mais óbvios e sensatos: possuir mais de 16 anos e menos de 79. Razão pela qual a idade média dos visitantes, nas primeiras semanas, oscilava entre os 17 e os 71. A ponte, e a adrenalina de a escalar, é para toda as idades. Os passeios são organizados pela Porto Bridge Climb, a responsável pela “descoberta”, e que, com toda a razão, chama a esta a “vista mais secreta do Porto”.
Desengane-se quem imagina que o barulho do tráfego no tabuleiro da ponte é capaz de beliscar a experiência. Nada disso, e bem pelo contrário: o ambiente é de tranquilidade e de silêncio (quase, quase) absoluto. A viagem pelo arco armado de 270 metros que, na década de 60, data da inauguração da ponte, era o maior do mundo, é uma experiência deslumbrante. Lá em cima, no topo do arco, a 65 metros de altura, o Douro desliza paciente aos nossos pés e olhamos a cidade como nunca a tínhamos visto antes.
A escalada tem uma duração de meia hora e pode ser realizada entre as 11h00 e as 19h30. Embora não sejam obrigatórias, as podem ser feitas através do site da Porto Climb Bridge,
Mais informação: http://www.portobridgeclimb.com/

São 262 degraus que nos separam da vista, simultaneamente, mais incrível e ignorada do Porto. Olhando para cima, percorrendo os degraus com o olhar, é legítimo que se instale algum receio. Infundado, sublinhe-se.

Poderá também gostar de